Nossa!

A vida pessoal parou em Maio. Projetos de Scrap, projetos de cursos… projetos de vida – com exceção do casamento.

Viajei a trabalho e só na semana do casamento estava de volta “pro” meu aconchego.

E esses dias atrás, eu tive muita vontade de escrever e compartilhar sensações únicas…únicas. Mas, já voltei à rotina de trabalho…e a gente vai deixando de lado…deixando de lado…

Entre uma conversa, um desabafo, e outros com as amigas bordadeiras, a reclamação de estar deixando as coisas pessoais de lado.

E eis que surge a necessidade, interna e externa, de tomar o rumo da própria vida.

Dos últimos três meses, quero compartilhar com vocês os fragmentos de longas discussões abaixo…que podem não se encaixar a certa altura quando lidos por outros, mas para mim, estão TODOS interligados:

– Se eu soubesse que casar é tão bom, tinha dado um jeito de fazer isso antes. E falo do casar com comemoração e tudo, porque já vivíamos juntos. Mas a sensação é diferente…e eu não acreditava nisso, mas é! Eu brincava, dizendo que ia sair do pecado! Pura bobeira mesmo…porque sou boba, vocês sabem. Mas já era romântica antes disso tudo… só achava a coisa toda dispensável. Mas aqui vai: dentro de suas possibilidades, se tiver a mínima vontade, não hesite. Vai! É bom!

– Quatro figuras me faltaram em meu casamento: Jana, Évery, Nalu e Daniela. E todas as figuras que lá estavam… nossa…que explosão de carinho! Quase um comercial de amaciante de roupas, misturado com pessoas felizes de uma propaganda de “sorriso”. Refrescante para nossas almas!

– E eu olhei para meu pai…85 anos, no terno bem alinhado. Que previlégio o meu! E se por um lado pequei, que abençoada sempre fui! Encostei minha cabeça no seu ombro, deixei que me levasse pelo braço (como quando eu era sua pequena)…Pensem numa pessoa que chorou e sorriu muito ao mesmo tempo. Eu.

– Nos divertimos demais! Demais!

– E lá nos steitis, em meio à uma invasão indiana, uma americana me pergunta se eu casava por amor ou se era “arranjado”. É AMOR! Que sorte a minha!

– E eu não penso mais em mim, sem ele =)

– E mesmo como já tínhamos a casa montada, ganhamos alguns presentes. Em apertamento, foi preciso esvaziar algum espaço para entrar no material novo. Eis que me deparei no último sábado, arrumando estante cheia de badulaque…e adorando. Minha gente, é o final dos tempos!

– E como diria Dinda Gutícula: “Às vezes o destino empurra a gente para o destino certo…e a gente insiste em desviar”… e é aquí que tomar o rumo, mesmo abrindo mão de certas outras confortáveis coisas, entra. Lá vou eu de novo!

– Legião: “(…) alguém que não use o que eu digo, contra mim” – e não tem lugar melhor do que ao seu lado “babisons”.

– A União faz a força. E é doce!

– O tempo não pára! Não Pááááaára, não! Não páraaaaaaaaaa!